Publicado em 26/06/2017 | Advocacia, Direito Empresarial

Recuperação Judicial - Quais as soluções para as empresas?

Já é do conhecimento do meio empresarial que os pedidos de Recuperação Judicial (RJ) aumentaram sensivelmente no Brasil, principalmente, no Estado Gaúcho, devido a vários fatores envolvendo a economia interna e externa. São diversos casos que variam de acordo com cada empresa e suas peculiaridades e área de atuação.

 

Segundo dados recentes publicados na imprensa, o número de recuperações judicias no ano passado foi o maior em uma década, batendo recorde, de acordo com pesquisa divulgada pela Serasa Experian no mês de janeiro de 2017. Em 2016, foram registrados 1.863 requerimentos, o maior volume desde 2006, após a entrada em vigor da Nova Lei de Falências.

 

De acordo com o advogado Ronaldo Espíndola, em linhas gerais a RJ está dividida em quatro fases de suma importância: 

a) montagem pormenorizada e detalhada do pedido a ser levado ao Juízo; 
b) decisão do deferimento do processamento e deliberação quanto ao plano de recuperação judicial; 
c) decisão de concessão da RJ e,
d) cumprimento do plano e encerramento da recuperação.

 

Por outro lado, segundo Espíndola, o que se tem visto é que alguns empresários tentam de todas as formas prorrogar suas dívidas com bancos, fornecedores, entre outros. “Com isso, aumenta seu passivo, de forma que, muitas vezes, nem a recuperação judicial serve como remédio a salvar a empresa”, destaca o advogado.

 

Assim, serve de alerta que a demora na decisão do ingresso com recuperação judicial pode comprometer o futuro da empresa frente aos seus credores.   

 

Outras informações podem ser obtidas no site www.ena.adv.br ou pelos telefones (51) 3023-6555 e (51) 99151-4321 ou ainda pelo e-mail: contato@ena.adv.brJá é do conhecimento do meio empresarial que os pedidos de Recuperação Judicial (RJ) aumentaram sensivelmente no Brasil, principalmente, no Estado Gaúcho, devido a vários fatores envolvendo a economia interna e externa. São diversos casos que variam de acordo com cada empresa e suas peculiaridades e área de atuação.

COMPARTILHE: